AMILTON GODOY TRIO | INSTRUMENTAL | JAZZ

Cabeçalho Artista_1211x472_AGT.png

O piano de Amilton Godoy é um dos últimos em atividade a atravessar mais de cinco décadas intacto. Criador de uma sonoridade de extensão grande, aliando as informações de sua formação erudita ao suingue do improviso brasileiro que desembarcaria no samba jazz e na música instrumental defendida por trios dos anos 50 para os 60, Amilton transpassa o tempo com uma solidez à prova de tempestades, apresentando-se como Amilton Godoy Trio.

Não se pode dissociar o nome do pianista Amilton Godoy do grupo que estabeleceu as bases da moderna música instrumental brasileira: o Zimbo Trio. Nascido no auge do movimento de renovação de nossa música, por volta de 1964, e formado por Rubens Barsotti e Luiz Chaves, além do próprio Godoy, o conjunto trazia a proposta de tocar música brasileira de qualidade, com todo o requinte que a sólida formação instrumental dos músicos e a excelente escolha de repertório poderia proporcionar. O sucesso imediato alavancou a carreira do grupo e o tornou referência de estilo e identidade na fusão da música brasileira com o jazz.

 

Amilton Godoy é músico fundador do Zimbo Trio, um dos grupos brasileiros mais influentes do século XX. Com uma discografia mais de 50 álbuns e mais de 250 participações em discos, Amilton Godoy é talvez o mais gravado pianista brasileiro, acumulando em seu currículo as gravações mais importantes da música instrumental e da MPB, com os discos ao lado de Elizeth Cardoso, Elis Regina e Tom Jobim, e apresentações importantes com as orquestras sinfônicas do Brasil, Venezuela, Argentina, Uruguai, Colômbia, Filarmônica de Berlin, Town Hall, entre outras. O pianista também é um dos instrumentistas mais premiados da história. Recebeu o Troféu Imprensa, Roquete Pinto, Pinheiro de Ouro, Chico Viola, Índio de Prata, Cândido Mendes, VII Prêmio Sharp de Música, Prêmio Tim de Música e o Prêmio da Música Brasileira.

 

Atualmente Amilton se apresenta como Amilton Godoy Trio, agora acompanhado pelo baterista Edu Ribeiro e pelo baixista Sidiel Vieira, e procuram manter a herança do grupo no jazz e na música instrumental brasileira sem perder a caracteristica e identidade musical mais do que reconhecida ao longo dos anos de existência e dos anos de boa música brasileira que ainda estão por vir.

 

Amilton Godoy Trio em apresentação realizada no SESC Pompéia em comemoração aos 60 anos do Samba Jazz com Azymuth e João Parahyba.

Amilton Godoy Trio em apresentação realizada no SESC Pompéia em comemoração aos 60 anos do Samba Jazz com Azymuth e João Parahyba.

Amilton Godoy Trio em apresentação realizada no SESC Pompéia em comemoração aos 60 anos do Samba Jazz com Azymuth e João Parahyba.

Amilton Godoy Trio ou Zimbo Trio?

 

O Zimbo Trio, que surgiu m 1964, tem seu nome marcado na história da música e rapidamente tornou-se referência na fusão instrumental da música brasileira com o jazz. 

 

“O jazz era o objetivo de todo músico com propósitos mais aprimorados. O Zimbo foi criado com o objetivo de sairmos daquele fundo de conversa de boate. Pretendíamos ir para teatros, era um projeto ambicioso para a época. Nosso primeiro disco mostrou que a música brasileira tinha tanta qualidade que podia ter improvisação por cima. Começamos a fazer jazz com música brasileira e resgatamos a bossa nova. O momento foi propício, demos sorte”, lembra o pianista.

 

Com mais de 60 anos de carreira do pianista Amilton Godoy com uma história cheia de prêmios (Amilton recebeu quase todos os prêmios de música erudita no país na década de 60) fala sobre a dúvida que se criou quanto a utilização do nome Zimbo Trio. 

 

"Após Rubinho (Barsotti) se afastar do Trio, não achei mais sentido em continuar com o nome Zimbo Trio para o novo grupo", explica Amilton sobre o trio que em 2007 perdeu seu contrabaixista Luís Chaves. "Mas ao estar no palco com tão talentosos artistas, posso homenagear meus antigos companheiros, contando a história do Zimbo Trio através das músicas", completa o pianista.

 

Após 49 anos como pianista líder e fundador do Zimbo Trio, Amilton sobe aos palcos como Amilton Godoy Trio, sempre acompanhado de grandes músicos como o baterista Edu Ribeiro e o contrabaixista Sidiel Vieira.

Sobre Amilton Godoy

 

Amilton Godoy nasceu em Bauru em uma família de músicos. Seu futuro não poderia ser diferente. Seu avô tocava alaúde; seus dois irmãos - Adilson e Amilson, tornaram-se profissionais; seu pai tocou violino em orquestra e trabalhava, também, como trompetista numa boate de Bauru (SP). Um de seus tios por parte de pai tocava trompete, outro, por parte de mãe, era maestro e pianista.  

 

A primeira professora de Amilton Godoy e de seus irmãos foi Nida Marchioni. Começou a aprender pelo caminho tradicional, com métodos correspondentes ao primeiro ano de piano, só que ao invés de ser no conservatório, era com uma professora particular. Ao mesmo tempo, ele aprendia também algumas harmonias, que seu pai e seu tio Célio, irmão de sua mãe, mostravam, relativas à música popular. Seu pai gostava muito de tocar tango, então ouvia e tentava reproduzir isso. Teve um grupo junto com seu irmão Adlyson, que fazia muito sucesso no interior, com arranjos de piano a quatro mãos, feitos pelo seu tio Célio, ele tinha 11 anos. Onde oficialmente começou sua carreira professional.

 

Parou de fazer aula com a professora Nida Marchioni por um motivo muito interessante: ele e seus irmãos saíam tocando música popular em Bauru e ela implicava, chegou até a ameaçar não mais dar aula para eles, até o dia em que ela concretizou a ameaça. Foi então estudar com outro professor em Bauru, Efísio Aneda, outro estilo completamente diferente. Estudou dois anos de harmonia tradicional com ele, e parou porque ele veio a falecer. Em seguida, a professora Nida resolveu aceitá-lo de volta. Mas certa vez, ela chamou seu pai e disse: ‘Olha, esse menino precisa ir embora daqui, eu não tenho muito a acrescentar a ele. Amilton precisa estudar em São Paulo, na escola Magdalena Tagliaferro’.

 

Seu pai o levou para fazer um teste com a professora Nellie Braga, ela o ouviu e o aceitou como aluno. Durante três anos, Amilton vinha semanalmente para São Paulo, viajava seis horas e vinte minutos de trem, tinha aula e pegava o trem de volta. A determinação era muito grande.

 

Completou sua formação com Nellie Braga, na Escola Magda Tagliaferro e a partir daí participou e venceu importantes concursos , tais como:

 

- 3° Prêmio no Concurso Nacional de piano da Bahia em 1962;

- 3° Prêmio no Concurso Nacional de piano do Rio de Janeiro em 1963;

- Vencedor do IV Concurso Nacional de piano Eldorado em 1964;

- Medalha de ouro ¨ Prêmio Governador do Estado de São Paulo¨ também em 1964;

- Vencedor do Concurso Nacional ¨Hora de Arte ¨ como Melhor Intérprete de Villa- Lobos no mesmo ano.

 

Apesar de se dedicar a música erudita, estudando 11 horas por dia e recebendo  prêmios, Amilton optou pela música popular.

 

De forma autodidata, o músico precisou aprender a aplicar, nos trabalhos que começaram a aparecer quando mudou-se para São Paulo, todo o conhecimento adquirido nas aulas de piano clássico em Bauru. Com a ajuda de indicações dadas por alguns amigos, foi conhecendo de maneira mais ampla o repertório de jazz, em especial de Oscar Peterson, George Shearing e das orquestras.  

 

"Ainda em Bauru, aos 13 anos, ouvi o primeiro disco de George Shearing, encomendado por meu pai. Ouvi, ouvi, ouvi e não entendi nada, mas comecei a querer reproduzir aquilo. Essa escuta começou a desenvolver o meu ouvido: já que eu não tinha acesso a partituras, tentava tirar, tentava escrever, sei lá quanto tempo eu levei pra tirar a primeira música. Ia atrás dos solos, daquele fraseado, repetia tudo, escrevia, derretia o disco. Em outra situação, ouvi pela primeira vez Oscar Peterson, num programa de jazz da rádio A Voz da América. Também não entendi nada, como é que pode tocar piano desse jeito? Aí meu pai comprou o disco dele. Eu então tinha duas fontes diferentes, e o processo se repetiu." (Amilton Godoy)

 

Quando mudou-se para São Paulo, Amilton Godoy recebeu o convite do músico José Ferreira Godinho Filho, o Casé, para integrar seu quinteto, experiência que se tornou decisiva em sua formação. "Com ele aprendeu a improvisar; Casé pegava os discos de jazz e  mandava Amilton tirar músicas para ensaiarem com o quinteto. Com a bagagem da música erudita, pianisticamente falando, começou a tocar música popular completamente diferente dos outros pianistas.

 

“Eu aprendi com Oscar Peterson, com George Gershwin, todos os discos foram formando minha cabeça. Aquilo foi uma preparação para o Zimbo Trio"(Amilton Godoy).

 

O Zimbo Trio foi formado a partir do convite que lhe foi feito por Rubinho Barsotti, de compor,  ao lado de Luiz Chaves, um trio para tocar na Boate Baiúca, em 1964. Amilton Godoy, que iria participar do disco "Projeção - Luiz Chaves E Seu Conjunto" (RGE/Som Livre, LP/1963, CD/1994), foi procurado para substituir Moacyr Peixoto.

 

No 17 de março de 1964, na Boate Oásis, no centro de São Paulo, foi a primeira vez que o Zimbo Trio tocou.

 

Zimbo Trio desenvolvendo importante trabalho no cenário artístico brasileiro, tendo 51 discos gravados e editados em mais de vinte e dois países.

 

Com o Zimbo Trio , dividiram o palco com nomes importantes como Elis Regina, Elizeth Cardoso em turnê por diversos países. Com Elis Regina, Wilson Simonal e Jair Rodrigues marcaram uma época com o “FINO DA BOSSA”.

 

Também com instrumentistas como Jacob do Bandolin, Sebastião Tapajos e Hector Costita  levaram a nossa música instrumental a mais de 45 países incluindo toda América Latina, Estados Unidos, Europa, África , Japão e China.

 

Ainda como pianista do Zimbo Trio ganhou todos os prêmio nacionais e internacionais  como o melhor grupo instrumental no Prêmio “Pinheiro de Ouro” por 3 vezes , o primeiro em 1964 , Roquete Pinto, no FESTIVAL DEL DISCO INTERNACIONAL DE MAR DEL PLATA, na ARGENTINA, CARACAS - FESTIVAL DE ONDA NUEVA o inclusive o Prêmio de Melhor Grupo Instrumental no Premio SHARP de música em 1994, Prêmio TIM em 2008 no 23o. Prêmio da Música Brasileira em 2012, com o CD ZIMBO TRIO AUTORAL que possui apenas músicas de sua autoria.

 

Em 1973 , juntamente com Rubens Barsotti, Luiz Chaves e João Ariza, fundou uma das mais importantes escolas de música do Brasil, CLAM _ Centro Livre de Aprendizagem Musical _ responsável pela formação de vários músicos no âmbito nacional e internacional.

 

Hoje a banda ZIMBO TRIO leva o nome de AMILTON GODOY TRIO, já que Amilton é o único membro original do TRIO e após o afastamento de RUBINHO BARSOTTI , Amilton não acha que o nome deveria continuar uma vez que seus parceiros de palco não mais dividiam o palco com ele e ele sim, passa a então os homenageá-los “CONTANDO A HISTÓRIA DO ZIMBO TRIO”.

 

Amilton já lançou mais de 10 métodos de piano e harmonia . Livros usados na educação e formação de mais de 30.000 estudantes de música.

 

Coordenou o departamento de piano em Campos do Jordão no Festival de inverno.

Foi diretor por dois anos da Semana Guiomar Novaes em São João da Boa Vista e em 2012 ministrou o curso de piano e 5 cursos de palestras ilustrativas com temas variados na Oficina de música de Curitiba.

 

 

Num trabalho inédito juntamente com a compositora Dulce Auriemo produziu dois álbuns da coleção ¨ Piano Solo Compositores Brasileiros¨ . Ganharam o prêmio JABUTI com o trabalho ¨Meu Primeiro Álbum de Piano Solo¨

 

A convite do primeiro flautista da Orquestra Filarmonie de Berlim, Michael Hasel, Amilton transcreveu algumas músicas desta coleção para flauta e piano.

 

Em 2011 Amilton foi o solista da Orquestra Jazz Sinfonica sob a regência do maestro italiano Nino Lepore, em uma homenagem a Nino Rota.

 

Ainda em 2012 arranjou e gravou juntamente com o harmonissista Gabriel Grossi um CD intitulado ¨ Villa Lobos Popular¨ através do sistema de patrocínio - PROAC.

 

Foi membro da Comissão de Música da Secretaria de Estado da Cultura e do Conselho Estadual de Cultura por oito anos.

Como solista, é considerado um dos maiores pianistas do mundo e atuou como convidado de orquestras regidas por grandes maestros, tais como Cyro Pereira ,Julio Medaglia, Chico de Moraes, Simon Bleche, Roberto Sion , Maurício Galindoe  Wagner Tiso.